17.3.07

As Farpas de Ramalho Ortigão


Algumas frases do prefácio das Farpas:
"O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos e os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido, nem instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não existe nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Já não se crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos vão abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. O tédio invadiu as almas (?) A ruína económica cresce, cresce, cresce? O comércio definha. A indústria enfraquece. O salário diminui. A renda diminui. O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo. De resto a ignorância pesa sobre o povo como um nevoeiro. A intriga política alastra-se por sobre a sonolência enfastiada do País (?) Não é uma existência, é uma expiação".
Há mais de um século, já Ramalho Ortigão escrevia isto sobre Portugal e sobre os portugueses. Parece que a nossa realidade económica, política e social continua a poder ser descrita desta forma. Não só, não temos elites políticas e económicas capazes de vir modificar este cenário, como não temos cidadãos conscientes e empenhados em contribuir para o modificar!!!
Nota: podem encontrar "As Farpas" de Ramalho Ortigão aqui

2 comments:

Cristina said...

gostei de conhecer o site. mas não consegui ver os livros digitalizados. existem não? devia estar taralhoca..:P

beijinhos

e-konoklasta said...

Cris,

Dentro do site, há outro link que não estava activo ontem, onde se entra nos livros digitalizados: http://purl.pt, é lá!

beijocas miúda