4.3.08

a condição humana

Há muito que a nossa pequenina realidade me sufoca. Já nem tenho paciência para andar a ler o que os blogues contam sobre as tricas políticas quanto mais os médias. Pausa para decantar, depois de tanto disparate de todos os quadrantes políticos e de todas as classes que ainda dominam este país, e que não querem perder os previlégios que os dominados lhes têm concedido apesar de ignorados e desprezados.

Aqui fica o testemunho de Sebastião Salgado sobre a condição de muitos humanos e a sua esperança um pouco vaga sobre os próximos caminhos que a Humanidade terá de percorrer.

Até breve! Vou ver as coisas mais de perto e voltarei com outros temas. Tenho um poste prometido sobre Luis de Miranda e estou à espera dum livro dele que encomendei e vou dar resposta aos desafios que me foram feitos pela Gi dos Pequenos Nadas e pela Maria do Divas e Contrabaixos para fazer um texto com, pelo menos 12, palavras eleitas.

5 comments:

Lola said...

E-Ko
A 1ª vez que cá venho e a 1ª a comentar...

Fotografar a vida é olhar para a pobreza que nos rodeia, para os contrastes sociais que nos chocam.

Não olhar para o lado,já ajuda.

Beijo

e-ko said...

olá Lola!

que lindinha que ela é... vir visitar-me!

sem ir à rua sei o que lá está...
em todas as ruas do mundo.

beijo

antoniomaia said...

Que bom os intlectuais ajudarem os interesses dos miseráveis do mundo. Que bom.
Porém e como dizes, vaga, a esperança apontada que diga-se faz parte do pensamento da sua classe, cuidado. Como é possível o artista referir que não encontra culpados, no que diz respeito à luta Dos Sem Terra, não! Há culpados e identificados!

"... todas as classes que ainda dominam este País..." A classe social que domina isto, também tem nome e chama-se burguesia, que governa este sistema capitalista e não consegue gerir os interesses de todos, naturalmente.

Só os trabalhadores podem resolver a crise!

Venerando-te

Ana Paula said...

De facto, a minha paciência em relação a certas áreas é também extremamente limitada. :)

Beijinhos (à espera de mais bons posts, dos teus...)

Cristina said...

amiga, como eu te compreendo...não te afastes muito please!

um beijão