6.1.08

a morte de uma mente lúcida... a liberdade e a lucidez têm um preço alto, não é para todos!



hoje um homem lúcido foi-se, a morte só foi clemente com ele evitando-lhe avançar na depêndência física, mas pouco clemente com os informes portugueses que por aí se arrastam a lamber as botas dos poderosos de todas as hierarquias. entravista para ler aqui.

hoje, o e-konoklasta rende homenagem a um iconoclasta com quem partilho algumas opiniões e preferências: também acho que o Agualusa é um pateta alegre, e, que para nobelizados, tanto fazia que fosse o Saramago como o Antunes, no absoluto, e acrescento que, se um deles teve o prémio, ao Pessoa o deve... que na impossibilidade de o dar a Pessoa ter-lo-ia atribuido ao Helder. E as variações Goldberg... ah... as variações Goldberg! por tua conta, hoje, o e-konoklasta, com as variações Goldberg... também eu!

informação encontrada esta manhã aqui, que tem mais para ver, no estilo iconoclasta e do e-konoklasta!

depois de uma visita nocturna ao absorto encontrei um excerto da "comunidade" do Luiz Pacheco e daqui trouxe este excerto: "Em toda a cidade que dorme e respira, eu luto com a dispneia e escrevo. Em toda a cidade que repousa e se esquece, na Avenida dos Combatentes eu debato-me contra a morte e escrevo diante da minha pequena tribo que dorme."

adenda: entrevista de Luiz Pacheco ao Sol pescado no absorto em 12 de janeiro.

1 comment:

Nobre Vagabundo said...

Luiz Pacheco, uma grande perda, uma figura incomparável. Pena, que pouco conhecido no Brasil. Ou pouco comentado.