13.11.07

éticas de hipócritas

"Cerca de 150 médicos assinaram uma petição de apoio ao bastonário Pedro Nunes contra o que dizem ser uma “deformação” da ética médica imposta a partir de fora."
continua no Correio da Manhã
tanta ética na nossa classe médica... mas não me convencem. ética é também prestar cuidados de saúde aos mais desprotegidos, mas não os vejo precipitarem-se para ocupar os postos vagos no interior do país, nem a correr tratar os que vão morrendo e sofrendo, que estão nas listas de espera para cirurgias e consultas, sem lhes quererem cobrar as prestações de saúde mais caras da união europeia...
até se pelam por desviar os seus doentes do SNS para os consultarem nos seus consultórios e clínicas privadas e sei-o porque o fizeram comigo...
éticas!...
adenda I: a Cristina, no contra capa, diz que a OM está, há muito, com pouca ordem e coerência, e ela sabe do que fala... afinal até não estou a exagerar!
adenda II: comentário da Cristina noutra posta do contra capa sobre a posição da OM e a de Correia de Campos: "o ridiculo da coisa é o codigo considerar falta ética grave e não poder aplicar sanção alguma porque o médico processaria a ordem e obviamente ganhava. tás a ver os gatos?? "-é proibido?-é-e o que é que me acontece?-nada!" aqui.
Se o ridículo matasse a OM acabava com estas fantochadas, por falta de deontologia!

3 comments:

Paulo Alves said...

Não olhes para o que faço, olha para o que eu digo.

(and by the way: que belíssimo blog. Fico).

Provavelmente Talisca said...

Adoro-a, E-ko.
Mesmo, mesmo.

PostScriptum said...

Os interesses instalados estão a ser postos em causa; julgavam-se intocáveis e têm sido, e agora que alguns privilégios estão a ser postos em causa, tentam reagir.
Lembra-me: o juramento deles chama-se de hipócritas?!
Seria interessante - por exemplo - uma investigação séria aos "objectores de consciência" que no sistema público se recusam a praticar a interrupção voluntária da gravidez, e quantos na verdade a fazem no privado. Apurados estes, porque não colocá-los no local devido e/ou retirar-lhes a possibilidade de exercerem?