25.8.07

a última crónica de Prado Coelho

Prado Coelho faleceu. Não sou assídua de crónicas e artigos de opinião, prefiro a informação pura que vem das agências noticiosas e gosto de reflectir sobre elas sem passar pelos pontos de vista dos opinadores oficiais, mas leio de vez em quando. Hoje ao abrir o blog vi que a informação desfilante alimentada pelo Correio da Manhã, Público e do Le Monde, chamava a atenção para um artigo do Público anunciando a morte do cronista e entrando no jornal online encontrei a sua última crónica de que extraí o que se segue:

"Que disse, então, Alberto João Jardim? Numa alusão à lei sobre a despenalização do aborto, declarou, segundo os hábitos enraizados do conservadorismo nesta matéria, que, “quando se fazem leis contra a vida humana, é um precedente que não podemos consentir para depois fazerem outros direitos ou se ofenderem outros direitos das pessoas em nome do Estado absoluto”. Não vamos discutir. Mas Jardim parece não ter entendido que a lei sobre a despenalização do aborto em determinadas circunstâncias é uma lei que aumenta a liberdade das pessoas, porque não obriga ninguém a fazer abortos, mas permite que quem quiser os faça e quem não quiser não faça. Falar em “Estado absoluto” é um contra-senso.

E falou sobre homossexuais. Para dizer que “querer o casamento de homossexuais e tudo isso que o Governo socialista prepara, essas não são causas, são deboche, são degradação, é pôr termo aos valores que nós, portugueses, a nossa alma nacional, temos desde o berço e que os nossos pais nos ensinaram”. Cá temos o modelo perfeito do pensamento reaccionário: vai-se buscar um princípio suposto intocável, neste caso a “alma nacional” ( Jardim ignora que “a alma é um vício”, como genialmente escreveu Agustina), para interditar qualquer debate racional e ponderado sobre estas matérias, e não se aceitar a pluralidade de posições.

Do berço não me recordo bem, mas lembro-me que os meus pais, felizmente, nunca me ensinaram estas coisas, bem pelo contrário, embora sempre permitindo que eu viesse a pensar o que achasse mais certo. E nada me leva a suspeitar que não fossem portugueses, que não fizessem parte deste demagógico “nós, portugueses” a que Jardim recorre."

O texto integral está
AQUI.

3 comments:

Watchdog said...

Não deitei há bocado o Público de ontem para o lixo, precisamente por ter a última crónica de EPC, no P2...

Manuelinho said...

Perdemos certamente um dos grandes vultos da cultura portuguesa.

Filipe Castro said...

Tambem fiquei com muita pena que ele tenha morrido. O melhor das cronicas dele era que nao tinham odio, eram sempre divertidas. Em relacao ao Alberto Joao Jardim, foi ele que disse que ele era qualquer coisa entre o Jean Marie Le Pen e o João Baião... :o)