2.6.07

dias de todas as infâncias


Memórias das infâncias

Gostávamos muito de doce de framboesa
e deram-nos um prato com mais doce de framboesa
do que era costume
mas
a nossa criada a nossa tia-avó no doce de framboesa
para nosso bem
porque estávamos doentes
esconderam colheres do remédio
que sabia mal
o doce de framboesa não sabia à mesma coisa
e tinha fiapos brancos
isso aconteceu-nos uma vez e chegou
nunca mais demos pulos por ir haver
doce de framboesa à sobremesa
nunca mais demos pulos nenhuns
não podemos dizer
como o remédio da nossa infância sabia mal!
como era doce o doce de framboesa da nossa infância!
ao descobrir a mistura
do doce de framboesa com o remédio
ficámos calados
depois ouvimos falar da entropia
aprendemos que não se separa de graça
o doce de framboesa do remédio misturados
é assim nos livros
é assim nas infâncias
e os livros são como as infâncias
que são como as pombinhas da Catrina
uma é minha
outra é tua
outra é doutra pessoa

© 1988, Adília Lopes

3 comments:

Cristina said...

nunca mais demos pulos por ir haver
doce de framboesa à sobremesa..

:)))) pois não..:/

e imagem é lindissima.

ahh e a do perfil tamb+em ;)

Gi said...

A Adília pasma-me, entusiasma-me e muitas vezes baralha-me! Por vezes mostra uma lucidez muito maior do que muito que a criticam. Eu confesso que ainda não lhe apanhei bem o "jeito" mas gosto de muito do que conheço. Este por acaso foi novidade.

Beijinho

pordentro said...

http://asinistraministra.blogspot.com/2007/06/repugnncia-nojo-repulsa-so-os.html