1.4.07

serviços de saúde mental, do marasmo ao caos


A maior nódoa dos nosssos serviços de saúde, a saúde mental, em que os internamentos são desaconselhados pelo relatório sobre a rede de saúde mental do país. A qualidade dos serviços é dificiente em relação a padrões internacionais e é mais um exemplo de falta de organização e de aproveitamento racional dos recursos existentes. Parente pobre do sector da saúde, o sector psiquiátrico é onde se verifica a maior dificuldade para as classes menos favorecidas no acesso a tratamentos mais humanizados. Quem tem necessidade dum psicoterapeuta ou tem dinheiro e paga as sessões de tratamento em consultório privado e, não se sabe muito bem a que preço, não há regulação, para não falar da qualificação dos diferentes especialistas e diferentes "escolas", ou limita-se a tomar os medicamentos prescritos, anti-depressores, neurolépticos ou reguladores do humor, que apenas devem representar uma parte do tratamento, na maioria dos casos.
"As unidades de saúde mental em Portugal funcionam mal, têm "graves problemas de equidade e acessibilidade" e os serviços têm uma qualidade "deficiente". A comissão que está a preparar a reestruturação da rede de cuidados de saúde mental faz uma diagnóstico negro da realidade portuguesa." No JN
imagem: personagens do filme, de Ken Loach, family life/1971

No comments: