4.10.06

concurso de fotografia do museu Jeu de Paume 2006

fotografia de Sabine Meier


Convém interrogar-nos sobre o que é fotografia, o que é fotojornalismo, e o que é a fotografia artística, ou ainda, fotografia de arte, para não entrarmos na questão do que é ou não é arte.
A fotografia, já sabemos mais ou menos do que se trata, praticada, a vários níves, e com diversos fins, desde o fim do sec.XIX, da qual os artistas, principalmente pintores, se demarcaram relativamente a esta forma de representação da realidade, todos os movimentos de arte moderna partem desta atitude, desde os impressionistas, passando pelos expressionistas e outros tachistas, pontilhitas, dadas e abstracionistas, mas em que os suportes de representação continuaram a ser a tela, em geral. Por vezes, alguns destes artistas, utilizaram a fotografia, mas como uma ferramenta suplementar de análise e realisação das suas obras, sem admitirem que a fotografia, em si, fosse obra de arte.
O fotojornalismo tem fins precisos para a imprensa papel, e hoje na imprensa online, o que lhe é exigido tem pouco a ver com arte, apesar de uma qualidade estética, a par da qualidade técnica, não serem supérfulas.
Com Man Ray e outros fotógrafos da mesma época, começou o desvio da técnica fotográfica para a procura de um esteticismo cada vez mais afirmado. Claro que tudo o que pretende ser arte em fotografia pode não o ser, como é possivel que o contrário aconteça.
Aquilo a que temos assitido, nas artes plásticas, nas últimas sete décadas, é a uma utilisação diversificada de suportes e de técnicas, dos tubos néon às instalações ou compressões de materiais industriais ou naturais, aos vídeos de artista, e muito mais ainda, a paleta é larga e continua a alargar-se, não há limites... Na fotografia, talvez por um certo mimetismo, a procura estética saíu dos seus parâmetros convencionais, para se aproximar das interrogações estéticas actuais dos artistas plásticos, mas tendo como suporte o próprio papel fotográfico e o gesto que fixa o momento em que o olhar estima o momento justo da emoção ou da ideia.
Todas as imagens que se seguem são exemplo do que há de possível como procura estética, que também não tem limites, na fotografia actual, e são todas concorrentes para 2006 ao prémio de fotografia do museu de Jeu de Paume em Paris.

2 comments:

fumaças said...

...

maloud said...

Só fui uma vez ao Jeu de Paume. Ainda era o museu dos impressionistas.