11.10.06

Adeus Anna

Os moscovitas estiveram presentes, em grande número, no funeral da jornalista russa Anna Politovskaïa, assim como jornalistas e activistas defensores dos direitos humanos. Todos manifestaram o desejo d'uma exigência na procura da verdade quanto a este assassinato.
É estranho que os média, em Portugal, não tenham, práticamente, reagido a este dramático caso de silenciamento dum membro duma profissão que ainda envolve alguns riscos em muitos países, quando se quer ser honesto e independente dos diversos poderes.

1 comment:

provavelmente talisca said...

Anna Politkovskaïa!
Querida Anna Politkovskaïa!
É bom saber que ainda há jornalistas que morrem.
Demorei muito até saber o que queria escrever aqui.
É isto.
Penso na dor dos teus.
E como devem sofrer.
Mas é bom saber que ainda morrem jornalistas.

Aqui não morrem.
Aqui nem sequer são jornalistas.
Assim o atesta a frescura do monstro da Madeira.
Assim o atesta a tristeza dos terríveis processos que não acabam.
Ninguém manda matar um jornalista português. P'ra quê?
Eles não arranham sequer a realidade.

Que chatice, Putin! Que bom que era teres jornalistas dos nossos.

Que falam das garantias da democracia e de garantia têm tão pouco.

Oh Anna Politkovskaïa, era tão bom se tivesses sido portuguesa!